Domingo, 24 Junho 2007

Resenha: Um Crime de Mestre

A dualidade de um crime.

Um Crime de Mestre

medium_fracture_ver6.2.jpg

Fracture (2007)
Dirigido por Gregory Hoblit.
Com Anthony Hopkins, Ryan Gosling e David Strathairn.
Crime. 112 minutos.

medium_3359-2007-05-08-16_52_30_7.3.jpg

Sinopse: De um lado, temos Ted Crawford (Anthony Hopkins de O Silêncio dos Inocentes), um bem sucedido profissional que desfruta de um casamento com uma mulher mais nova. Após descobrir do caso entre ela e um detetive, Ted literalmente estoura e mata sua mulher. Do outro lado temos Willy Beachum (Ryan Gosling de A Passagem), um advogado em ascenção e rumo ao poder que se depara com o caso e se intriga com a figura de Ted, mas logo percebe que está em uma grande enroscada, enfrentando uma mente loucamente pertubada e inteligente.

Um Crime de Mestre é um ótimo suspense, um longa criminal conduzido de forma digna por seu diretor, Gregory Hoblit, o mesmo do memorável Alta Frequência. Hoblit, com um bom roteiro em mãos, repleto de excelentes personagens e bons diálogos, forma um thriller mais que satisfatório ao decidir valorizar mais os personagens, suas intenções e suas personalidades do que a própria trama em sí, que mesmo assim não decepciona, envolvente e instiga, com várias surpresas e sérios momentos de tensão e diversão. O filme é diabolicamente divertido, graças ao sarcasmo do personagem de Hopkins, ganhando contornos perfeitos com a interpretação do ator sensacional.

O embate entre Hopkins e Gosling deve ser o mais memorável do filme. Além do mestre Hopkins, Gosling entrega charme e atitude, uma valiosa performance que se sustenta e não se deixa ser esquecida mesmo com um nome forte ao lado. Os dois atores proporcionam muita química, diálogos refrescantes e divertidos e expressões e olhares explosivos, dizendo mais que próprias palavras. São o triunfo do filme. Mesmo assim, o longa vai muito além disso, engatando em um drama psicológico extremamente satisfatório e intrigante, inteligente e cheio de boas sacadas, sequências memoráveis e um visual competente, com uma fotografia sublime e bela, além de montagem e trilha sonora poderosa.

As falhas são óbvias e talvez por esse motivo não se tornem relevantes. Como por exemplo, o fato de a premissa inicial ser um tanto batida, mas Hoblit e os roteristas possuem conciência disso e tentam ao máximo ousar e se direcionarem para um lado mais competente, mais tenso, intrigante e sem dúvida, mais satisfatório. O longa todo funciona e por nunca deixá-lo se tornar vazio, Hoblit sai vitorioso ao deixar grande parte da carga em cima dois atores, que carregam grande parte do filme. Com isso, fica mais fácil de Hoblit conduzir a trama muito bem amarrada e as surpresas que chegam nos momentos certos.

Pode soar clichê ou convencional para muitos, mas o filme é muito mais que isso. Não somente por arrancar um duelo memorável da dupla de atores, mas por proporcionar um drama espetacularmente divertido, oferecendo um entretenimento que ao mesmo tempo que é absurdo é inteligente, já que o roteiro conta com as mais divertidas sacadas do gênero e algumas referências verdadeiramente genuínas. Recomendado, é do típo de filme que simplesmente não decepciona para quem gosta de um bom e valioso suspense psicológico, recheado de boas atuações, trama interessante e intrigante e surpresas para todos os gostos. O final deixa algumas impressões erradas, mas a intenção do diretor foi clara e precisa ser respeitada, deixando a audiência ainda mais intrigada e pendurada por uma última cena tão misteriosa e divertida quando o resto do filme.

medium_3359-2007-05-08-16_52_59_1.jpg
medium_fracture1.jpg
Cineclick:  "Não é, nem será o melhor suspense policial do ano, mas cumpre o que promete: um bom entretenimento, bem dirigido e com um roteiro intrigante."
 Omelete:  "(...)deixa de lado a correria para usar um outro músculo, o cérebro." -80%
 Rolling Stone:  "Só porque um filme é completamente absurdo não quer dizer que não possa ser diversão diabólica. No caso: Um Crime de Mestre." -75%
Empire:  "Os protagonistas estão em forma, mas a estrutura os cercando está muito parecida com milhares de outros filmes. Mesmo assim, tenso e inúmeras vezes ousado." -60%

22:45 Escrito em Resenhas | Permalink | Comentários (2)

Comentários

Wally, o q acha do primeiro QUARTETO FANTÁSTICO?

Abs!

Escrito por: Otavio Almeida | Segunda, 25 Junho 2007

Acho que "Um Crime de Mestre" funciona perfeitamente num tempo em que filmes altamente grotescos fazem mais sucesso do que boas histórias de suspense como essa - me refiro a "O Albergue" e derivados. Apesar do Hopkins estar muito bem, prefiro o Gosling no filme, que pra mim é um ator excepcional (merecia o Oscar por "Half Nelson", um filme que recomendo mesmo não sendo exibido no Brasil).

Escrito por: Vinícius P. | Quinta, 28 Junho 2007

The comments are closed.